sexta-feira, 22 de outubro de 2010

ACORDAR PARA UMA NOVA AGENDA.

Hoje na FOLHA DE S. PAULO, o engenheiro e economista LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS, recomenda ”ACORDAR PARA UMA NOVA AGENDA”.
O analista das coisas da economia precisa tomar muito cuidado quando vive em períodos de grandes transformações estruturais. Nesses momentos, a dinâmica conjuntural de uma economia acaba sendo afetada de forma importante por esses fatores estruturais. No início os sinais dessa interferência são muito esparsos e de difícil visualização. Mas, com o caminhar do tempo, as coisas vão ficando mais claras e passam a ser percebidas por um número maior de observadores. Posteriormente o processo de mudanças ganha maturidade e permite uma visualização histórica, quando os indícios iniciais ganham contornos tão claros que mesmo o mais medíocre observador é capaz de entender o que está ocorrendo. Vivemos nos últimos dez anos um desses períodos de profundas transformações estruturais na economia mundial. Ousaria dizer que vivemos hoje momentos tão importantes como os anos seguintes ao fim da Segunda Guerra. A década dos 50 do século passado trouxe de forma inquestionável a ascensão dos EUA ao posto de maior economia no então chamado mundo livre. Hoje, 60 anos depois desse verdadeiro movimento tectônico na economia mundial, entramos em outra fase de rearranjo estrutural e que deve nos levar a um mundo econômico totalmente diferente do de hoje. Assistimos à emergência de uma nova potência -a China- e à mudança do centro econômico para o lado do Pacífico. Mas o que ocorre hoje atinge de forma diferente nosso querido Brasil. Na segunda metade do século passado, a economia brasileira era muito pequena e frágil e não conseguimos ser -sequer- um ator de terceira categoria no processo de redesenho do mundo. Nos dias de hoje, o Brasil é um agente importante no processo de mudanças e faz parte do seleto grupo de nações que vai formar o centro da economia mundial do futuro. Mas, para que possamos usar essas mudanças -em toda a sua intensidade- em benefício da sociedade, é preciso que o novo governo, que tomará posse no início do próximo ano, acorde para o que vem acontecendo fora de nossas fronteiras. E esse não me parece ser o comportamento dos dois candidatos à Presidência no segundo turno das eleições deste ano. Os principais pontos de uma política econômica para o futuro, levantados nos debates a que assistimos, não incorporam os novos desafios que teremos que enfrentar. As propostas continuam a tratar apenas de questões meramente conjunturais, como taxa de juros, política de salário mínimo e questões orçamentárias, entre outras. Sei que, em uma campanha eleitoral nas democracias modernas, é muito difícil que os candidatos tratem de problemas estruturais ou especulem sobre o mundo dentro de dez anos. Mas discutir o que fazer no próximo mandato presidencial, sem sequer fazer referência aos novos desafios -e oportunidades- que vamos encontrar pela frente e à necessidade de mudanças no "soft" econômico que tem sido utilizado, me incomoda muito. Talvez esse comportamento seja ditado pelo péssimo hábito do brasileiro -herdado de nossa cultura futebolística- de não mexer em time que está ganhando. Nos últimos anos a economia brasileira tem sido vitoriosa e motivo de inveja de muitas nações. Mas, para que isso continue, é necessário que se preste atenção ao mundo que deve existir na terceira década do século e que se adapte nossa política econômica vitoriosa a esta nova realidade. Tenho escrito com frequência sobre essa questão neste espaço na Folha. E pretendo continuar a fazê-lo como uma contribuição pessoal ao debate que me parece essencial. Não tenho a pretensão de escrever uma proposta tipo receita de bolo, pois não saberia ir além de alinhar algumas questões que me parecem essenciais. O que viveremos nos próximos anos nas economias brasileira e mundial não tem paralelo histórico. Por isso uma nova política econômica só será construída com debate sério e profundo sobre alternativas. A simples repetição de princípios e propostas tradicionais -seja à direita ou à esquerda do espectro político- não vai nos levar a uma solução eficiente dos problemas que vamos enfrentar.

Nenhum comentário: