Pular para o conteúdo principal

Preço do novo iPhone no capitalismo brasileiro!

Os novos smartphones iPhone 7 e iPhone 7 Plus, custarão de R$ 3.499 a R$ 4.899 no Brasil, dependendo do modelo, segundo as pré-vendas dos sites Submarino e Americanas.com. Os aparelhos serão lançados no país na próxima sexta-feira (11).

O modelo mais barato é o iPhone 7 com 32 Gbytes de armazenamento, que custará R$ 3.499; o mais caro é o iPhone 7 Plus com 256 Gbytes, por R$ 4.899.

No aparelho mais básico, o valor representa uma queda de 13% em relação ao modelo anterior, o iPhone 6s de 16 Gbytes, lançado no Brasil há um ano por R$ 3.999. No mesmo período, o dólar caiu 17%, de R$ 3,88 para R$ 3,25. Já o topo de linha de 2015 custava o mesmo, mas tinha metade da capacidade de armazenamento do atual.

Na comparação entre os dois modelos mais novos, o iPhone 7 Plus, além de uma tela maior (5,5 polegadas contra 4,7 polegadas do iPhone 7), tem mais memória RAM que o irmão e vem com duas câmaras traseiras.

Entre as novidades do iPhone deste ano está que ambos são à prova d'água; por outro lado, os celulares perderam a entrada tradicional de fone de ouvido – é preciso substituir os dispositivos por versões bluetooth ou conectá-los na entrada Lightning, por meio de um adaptador (incluso).

Com os novos iPhones, a Apple espera reverter o declínio nas vendas do seu principal produto e a consequente queda em seu faturamento –a primeira desde 2001. Até setembro, quando fechou seu ano fiscal, a empresa teve receita de US$ 215,6 bilhões (comparável ao PIB do ano passado de Portugal), 8% menos do que nos 12 meses anteriores.

Veja os preços de cada modelo:
>> iPhone 7 32 Gbytes – R$ 3.499
>> iPhone 7 128 Gbytes – R$ 3.899
>> iPhone 7 256 Gbytes – R$ 4.299
>> iPhone 7 Plus 32 Gbytes – R$ 4.099
>> iPhone 7 Plus 128 Gbytes — R$ 4.499
>> iPhone 7 Plus 256 Gbytes – R$ 4.899 
 







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...