terça-feira, 9 de dezembro de 2008

CHOMSKY COM A BARBARA GANCIA

Recentemente publiquei um post comentando uma entrevista do NOAM CHOMSKY na Folha de S. Paulo. Meu objetivo, conforme citei, era conhecer o "pensamento" de intelectuais de quem discordo frontalmente. Hoje, a minha predileta Barbara Gancia, de quem sou leitor há anos também na Folha, escreveU em seu blog http://www.barbaragancia.com.br/ o post abaixo. Nota dez para a colega blogueira.

A Folha publica hoje entrevista com o lingüista Noam Chomsky assinada pelo correspondente em Washington, Sérgio Dávila. Nada contra dar espaço a um hipócrita como Chomsky, é da vocação da Folha ouvir todas as vozes do espectro político.

Mas dizer que ele é “um dos principais intelectuais progressistas em atividade” é comprazer com o que há de pior no pensamento da esquerda (se é que há alguma coisa que ainda se salve no pensamento da esquerda).

Considerado como o homem que revolucionou a lingüística moderna, Chomsky integra o MIT (Massachusetts Institute of Technology) na qualidade de lingüista, não de pensador político. Suas opiniões sobre questões políticas já não são levadas a sério desde que ele chamou Jimmy Carter de sangüinário, nos idos anos 70.

Chomsky é daqueles esquerdistas radicais cheios de teorias estapafúrdias de conspiração, que apóiam todo e qualquer regime totalitário que se declare marxista. Mas não vou perder meu dia de sol (uma feijoada, um passeio no parque e a festa de fim de ano do Bandsports me aguardam) para explicar quem é o trelelé.

Faça o seguinte, doce internauta: entre no Google e digite a palavra “Chomsky” ao lado de “crackpot” (excêntrico de idéias bizarras) e/ou de “kook” (pessoa considerada esquisita, excêntrica ou louca) e veja quantas páginas não falam sobre os absurdos que esse senhor costuma proferir.

O cara pode ser para a lingüística o que Einstein foi para a física. Mas, em matéria de política, prefiro conversar com o mendigo que anda na rua falando sozinho a ouví-lo…

Nenhum comentário: