Pular para o conteúdo principal

COMO REAGIR À CRISE? LEIA E OPINE

"Como Reagir à Crise? Políticas Econômicas para o Brasil" é um livro virtual que está no sítio http://www.iepecdg.com/ - Instituto de Políticas Econômicas da Casa das Garças, que é um centro de estudos cariocas dirigido pelos economistas Edmar Bacha e Ilan Goldfajn.

O bom é que a reação à crise já começa pelo livro, que é FREE. Reúne artigos de pesos pesados como Armínio Fraga, André Lara Resende, Gustavo Franco, Pedro Malan, Alkimar Moura, Armando Castelar Pinheiro, Francisco Lopes entre outros.

Entre tantos textos de excelente qualidade acadêmica, fico com um pequeno trecho da parte do Pedro Malan quando escreve que "O Brasil não está em recessão, nem em deflação, mas em processo de desaceleração do crescimento que vai significar sim redução das receitas e portanto vai exigir cortes na expansão de gastos antes contemplados e não o contrário, como vem acontecendo com as contratações e aumentos anticíclicos." Resumindo: o governo deve conter o gasto público como o único caminho para o País atravessar a crise.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...