domingo, 4 de outubro de 2009

DA SÉRIE: LEITURA INEVITÁVEL

Direto da FOLHA DE S. PAULO, o colega LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS esclarece AS VELOCIDADES DA ECONOMIA MUNDIAL.

Chegamos ao último trimestre de 2009 com as principais economias do mundo funcionando a três velocidades diferentes. Países como o Brasil e a Austrália já saíram do atoleiro e devem entrar em 2010 com o motor próximo de sua potência total. Se ainda não engataram a quarta marcha, estão muito perto de fazê-lo. Já não precisam mais da força das despesas públicas e do superestímulo monetário para fazer andar o setor privado.
Em um segundo grupo - do qual a China é o melhor exemplo- a economia também se recupera de forma clara, mas com forte ajuda do setor público. Finalmente, um terceiro grupo ainda patina mesmo com a forte ajuda dos governos. Esse é o caso dos países mais avançados, como os EUA, a Inglaterra e a Europa Unida. As estatísticas econômicas divulgadas nos últimos dias reafirmam essa imagem que construí para o leitor da Folha há algumas semanas.
Os EUA e seus companheiros do G7 continuam a lutar com a perda de empregos e a queda da renda do trabalho. Os dados referentes a setembro continuam apontando para desocupação em alta e consumo fraco. A recuperação da produção industrial esperada para os próximos meses ainda está sujeita a altos e baixos pela incerteza sobre estoques e demanda final.
Com o consumidor pressionado e o nível de ocupação da estrutura produtiva ainda muito abaixo do potencial, a volta do investimento ainda é um sonho. Embora essas economias devam sair da recessão nos próximos meses, muitos analistas projetam um período de crescimento muito frágil no começo do próximo ano. Alguns temem inclusive outro período de recessão.
No caso da China, os dados recentes mostram uma recuperação mais acentuada da produção industrial e da atividade em geral. Os gastos públicos e os programas setoriais de incentivos ao consumo têm acelerado a atividade local e compensado a perda da força das exportações. O PIB chinês cresce a taxas superiores a 8% ao ano, número fantástico em um mundo sem o consumismo do americano.
Por outro lado, as economias asiáticas que vivem do dinamismo chinês estão se beneficiando da recuperação no país de Mao via maiores exportações de seus produtos. Como já disse a meus leitores, a questão nessa parte do mundo é o que acontecerá com o setor privado quando os gastos públicos voltarem ao normal -e certamente voltarão- em 2011.
Finalmente no grupo formado por economias que começam a voar em céu de brigadeiro, os governos começam a desarmar os mecanismos de estímulos monetários e fiscais estabelecidos durante a crise. Os BCs do Brasil e da Austrália já deram indicações de que vão elevar os juros nos próximos meses para evitar um superaquecimento de suas economias.
O quadro descrito trata de questões conjunturais importantes, mas que escondem um movimento de longo prazo que quero trazer ao leitor da Folha nas próximas colunas. Estamos vivendo um tempo de extraordinárias mudanças no equilíbrio econômico do mundo.
Alguns sinais desse fenômeno são ainda muito sutis e podem passar despercebidos pelo analista menos cuidadoso. Mas a divisão entre ganhadores e perdedores nesse processo vai depender de uma leitura correta dos governos nacionais sobre os novos tempos e as medidas a serem tomadas.
Seria muito bom para nós, brasileiros, que o governo Lula deixasse a euforia de lado e voltasse sua atenção para uma nova agenda estratégica para o Brasil.

Nenhum comentário: