segunda-feira, 12 de outubro de 2009

NOBEL DE ECONOMIA 2010

Direto do ESTADÃO, matéria completa sobre os novos ganhadores do NOBEL de ECONOMIA 2010. Num ano que OBAMA foi laureado com o NOBEL DA PAZ, uma mulher recebe o de ECONOMIA pela primeira vez.

ESTOCOLMO - Os americanos Elionor Ostrom e Oliver Williamson ganharam o Prêmio Nobel de Economia 2009 por seus trabalhos sobre a governança econômica, conforme informou nesta segunda, 12, o comitê do prêmio. A dupla estuda a forma como as decisões são tomadas fora dos mercados, nos quais muitos economistas focam.

Professora da Universidade Indiana em Bloomington, Illinois, Elionor é a primeira mulher a vencer o prêmio desde 1968, ano de início da premiação. Ela é também a quinta mulher a receber o Nobel só neste ano, um recorde. Antes desta segunda-feira, 62 homens já haviam conseguido a honraria, lançado em 1968, para celebrar o 300º aniversário do Banco Sueco.

O Nobel de Economia é oficialmente chamado Prêmio Sveriges Riksbank em Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel. Os dois economistas dividirão 10 milhões de coroas suecas (US$ 1,42 milhão). Elinor disse que pretende usar a quantia para apoiar a pesquisa e estudantes de graduação. Além do valor em dinheiro, os vencedores receberão uma medalha de ouro e um diploma das mãos do rei da Suécia no dia 10 de dezembro, dia do aniversário de morte do fundador, Alfred Nobel, morto em 1896.

O júri desta edição citou entre as qualidades de Elinor "sua análise da governança econômica", especialmente em aspectos comuns às pessoas em geral, como a forma como os recursos naturais são gerenciados como recursos comuns. Essa área de pesquisa, mostrou Elinor, é relevante para questões relativas ao aquecimento global e sugere que as decisões dos indivíduos podem ajudar a resolver o problema, mesmo que os governos já trabalhem em acordos internacionais.

O comunicado dos jurados notou que a pesquisadora "desafiou a sabedoria convencional de que a propriedade comum é mal gerenciada e deveria ser regulada por autoridades centrais ou privatizada". Baseada em vários estudos, analisando florestas, pastagens e lagos, entre outros, ela concluiu que os resultados mais comuns são "melhores que os previstos pelas teorias convencionais".

"Ela observa que os usuários do recurso frequentemente desenvolvem mecanismos sofisticados para tomadas de decisão e cumprimento das regras para lidar com conflitos de interesse, e ela caracteriza as regras que promovem resultados bem-sucedidos", apontou o júri.

Elinor descreveu o prêmio como "uma imensa surpresa". "Eu estou um pouco em choque", confessou. Ela é Ph.D. Em Ciência Política, mas disse se considerar uma economista política.

Williamson trabalha na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Ele foi agraciado por "suas análises da governança econômica, especialmente os limites da firma" - a razão pela qual algumas decisões econômicas ficam a cargo dos mercados e outras dentro das corporações.

O comunicado do júri lembrou que "quando a competição de mercado é limitada, as empresas são mais capacitadas para resolver conflitos que os mercados". Williamson estudou as condições para que as companhias ganhem espaço na resolução de conflitos e os limites para isso.

"Durante as últimas três décadas, estas contribuições avançaram as pesquisas em governança econômica para a o centro das atenções científicas", disse o comitê.

O Nobel de Economia não faz parte das premiações iniciais, mas foi criado pelo Sveriges Riksbank da Suécia em homenagem ao fundador da premiação.

Nenhum comentário: