sábado, 31 de outubro de 2009

US$ SINAL DE ALERTA - 31/10/2009

Para encerrar o mês de OUTUBRO/2009, vendo que o mundo capitalista NÃO acabou, um artigo do Professor ANTONIO DELFIM NETO, na Folha de S. Paulo, com o sugestivo nome: SINAL DE ALERTA.

A valorização excessiva do real continua sendo o fator principal do fraco desempenho do comércio exterior brasileiro. Inviabiliza uma boa parte das exportações industriais devido à elevação dos preços numa conjuntura mundial já bastante desfavorável; na mão inversa, facilita as importações a baixo custo, expondo a indústria nacional à concorrência muitas vezes predatória em nosso próprio mercado interno.

O argumento de que a valorização do real se assemelha à das demais moedas como contrapartida à desvalorização do dólar não se sustenta: dados do Fed, apresentados na atualizada coluna da jornalista Vera Saavedra Durão no "Valor Econômico" desta segunda-feira, mostram que "a taxa de valorização média de uma ampla cesta de moedas em relação ao dólar foi de 6% entre 31 de dezembro de 2008 e 21 de outubro de 2009, enquanto a valorização do real foi de 37%".

O governo decidiu agir, aplicando um IOF de 2% na entrada de capital externo (na Bolsa e em renda fixa). É um sinal para prevenir excessos especulativos, um "aviso aos navegantes".

Na semana passada, tratei ligeiramente da questão cambial ao comentar as afirmações do presidente da CNI, que procurou mostrar ao governo que o momento é favorável para restabelecer as condições isonômicas que permitam à indústria enfrentar a competição externa. O senhor Armando Monteiro Neto apontou o caminho possível da mobilização do setor industrial para apoiar ações do governo que levem à redução dos custos do crédito à produção e à desoneração das exportações.

Tenho insistido todos esses anos que é um absurdo cobrar impostos na exportação de um par de sapatos que vai ser usado por um irlandês ou um alemão que certamente jamais receberá qualquer contraprestação de serviços do Estado brasileiro.

Existem formas de intervenção que, em tempos de crise, são plenamente justificáveis. É o momento de retomar as iniciativas para uma nova política industrial, orientada basicamente para os investimentos em inovação tecnológica. Há uma revolução em marcha que vai alterar em profundidade a oferta de energia, com a substituição da matéria-prima de origem fóssil pelas variedades não poluentes e renováveis.

O Brasil tem parte nesse processo e está mais adiantado que a maioria dos países emergentes no desenvolvimento de novas formas de energia alternativa. Tem experimentos avançados com a biomassa, mas não pode negligenciar os investimentos em novas tecnologias se pretende garantir o mercado para a sua indústria nas próximas décadas.

Nenhum comentário: