Pular para o conteúdo principal

A covardia do FED!

Paul Krugman, no seu blog, aqui publicado pelo ESTADÃO: Não surpreende, realmente, mas choca mesmo assim. O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) prevê um desemprego desastrosamente alto até onde a vista alcança: E em resposta a essa perspectiva tétrica, ele declara seu trabalho encerrado. Notem que o Fed não compra a ideia de que há um grande aumento da taxa de desemprego estrutural, de que 9% é o novo normal. Essa coisa mais para a direita, rotulada “longer run” (longo prazo), é de fato a estimativa do Fed para quão baixo o desemprego poderia e deveria ir sem causar problemas de inflação. De modo que o Fed concorda em que alguma coisa deve ser feita para aumentar bastante a demanda. Mas ele lava as mãos do problema, apesar de Bernanke e seus colegas estarem perfeitamente cientes de que ninguém mais agirá. Eu estou ciente de que há dúvidas sobre quanto o Fed poderia realizar; eu compartilho essas dúvidas. Mas isso não é razão para não tentar. Essa exibição de passividade é assustadora. E vergonhosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...