domingo, 26 de junho de 2011

A realidade na Amazônia de hoje.

Ler LEONARDO SAKAMOTO no http://blogdosakamoto.uol.com.br/2011/06/25/quando-o-preco-sobe-a-amazonia-despenca/ é sempre motivo para o livre exercício do pensamento. Vide abaixo o que ele escreveu sobre a região amazônica, onde trabalho desde 2005. Alguém discorda? Na realidade é tudo uma questão financeira, onde o poder econômico sempre prevalece em detrimento da floresta. Até quando?

Há alguns anos, venho escrevendo que, no que pese os seus louváveis esforços, o Ministério do Meio Ambiente tem menos controle sobre o desmatamento na região amazônica do que a Chicago Board of Trade, nos Estados Unidos, onde se define o preço mundial da soja. O grão passou um longo período com preço baixo no mercado internacional, o que freou sua expansão sobre a Amazônia e o Cerrado. Agora está nas alturas (“Nunca este tão alto nos últimos 70 anos” , como bem afirmou à Folha o ex-governador e senador Blairo Maggi).

Como não valia a pena economicamente, o agronegócio não se expandiu sobre novas áreas. Agora, que o preço atingiu alegres patamares, ouve-se o ronco das motosserras. Em 2006, quando falei sobre isso, me chamaram de “arauto do pessimismo”. Hoje, posso dizer com a tranquilidade dos arrogantes: eu disse.

Noves fora, o fato do Brasil ter virado o açougue do mundo. Por um lado, isso significa mais dinheiro entrando. Por outro, mais desmatamento (a Amazônia está virando o pasto do país) e mais trabalho escravo (mais de 60% dos casos desse tipo de exploração são de pecuária bovina, considerando a “lista suja” do trabalho escravo do governo federal).

Nenhum comentário: