Pular para o conteúdo principal

REVISTA EXAME - ECONOMIA

Nesta semana, em uma reportagem que cita Henrique Meirelles como o maior responsável pelo controle inflacionário e homem forte da economia, EXAME diz que "Com a estabilidade da moeda preservada, a economia brasileira ficou mais forte de 2003 para cá. Ou seja, a vulnerabilidade externa do país caiu, os picos de inflação se tornaram mais brandos, o crescimento da economia se intensificou, a taxa de investimento tem aumentado e há mais brasileiros empregados formalmente."
Nesse caso, viva Lula ou viva Meirelles? Somente lembrando que eles assumiram o governo em janeiro de 2003 em meio à desconfiança do mercado. Porém, como Lula é muito inteligente, ele esqueceu ou rasgou (não sei) a cartilha econômica petista e hoje temos uma situação que veio de uma "herança bendita" de FHC.

Comentários

Mario disse…
Considero oportunas suas observações, são precisas e coerentes. Todavía, saliento que as ressonâncias da boa política de Meirelles, e, consequentemente, do governo Lula, significam muito mais que resultados da política de FHC. Caso fosse tão somente continuação de FHC, provavelmente não teriamos este reflexo na atualidade.
Se, não, porque não vimos isso já no governo de FHC...

Dr. José Mário Britto

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...