Pular para o conteúdo principal

O post de Paul Krugman.

O desvario provocado pelo dinheiro é o post de PAUL KRUGMAN no ESTADÃO on line de 25/04/2011:

Eu gostava de citar Charles Kindleberger, já falecido, que costumava dizer que qualquer pessoa que refletisse excessivamente sobre as moedas internacionais enlouqueceria. (A propósito, é o que lembro das aulas; se alguém tiver alguma referência atual, ficaria agradecido.)

Mas estou achando que é necessário expandir a proposição: aparentemente, quase todas as pessoas que pretendem discutir assuntos monetários de qualquer tipo enlouquecem.

A reação mais adequada à QE2 (nova rodada de flexibilização monetária quantitativa) é: “É…”. Não é nada demais. O mesmo é válido no caso da desvalorização do dólar do seu pico durante a crise para o que era mais ou menos no início de 2008.

O tom geral desta discussão faz lembrar de como as pessoas falavam do padrão ouro, quando todos achavam que qualquer intervenção no sagrado papel do metal dotado de precisamente 79 prótons significaria o fim da civilização. Mas faz 80 anos que a Grã-Bretanha deixou o padrão ouro, e, que eu tenha notado, William e Kate não vão se casar num deserto desolado.

O câmbio flutuou livremente por quase 40 anos durante o reinado de São Reagan e do Querido Líder (e os fatos de 11 de setembro não tiveram nada a ver com o declínio do dólar no governo Bush – como eu disse, alguma coisa neste tema faz com que os loucos se revelem).

Em todo caso, dinheiro e política monetária são basicamente questões técnicas, ainda que questões importantes. O destino da sociedade ocidental não está em jogo, nem existe uma grave questão moral em permitir que o poder de compra do meio de troca se deprecie modestamente ao longo do tempo. Portanto, acalmem-se todos vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...